segunda-feira, 10 de agosto de 2009

A crônica do briefing natimorto

Havia um cliente com um grande sonho de engravidar. Sem muito dinheiro para recorrer a uma clínica de primeiro nível, encontrou depois de algum tempo um parceiro disposto a realizar seus desejos.
Ele prometeu fidelidade e mais um monte de coisas que só se diz a quem se conhece de longa data. Foram noites adentro de muito suor tentando manter a ereção à base de Nescafé.
E a cada ciclo se esperava ansiosamente a notícia. E o sonho começou a se tornar distante. Internamente, boatos sobre a infertilidade do parceiro tomavam forma e já se discutia sua relevância na relação.
Naquele cenário de incerteza a ansiedade começou a falar mais alto. E as cobranças começaram. A cada atraso na menstruação o cliente já solicitava nomes para a criança.
- Mas é menino ou menina?
- Não sei ainda se é gravidez, mas já vamos pensando em possibilidades.
O parceiro de prontidão já elaborava uma lista enorme. E aproveitando já começava a orçar o enxoval todo, escolhia as cores do quarto, do berço, das roupinhas.
- Calma, não tenho dinheiro pra tudo isso!
- Então a gente coloca o berço ao lado da cama até ter certeza, não tem problema!
Ufa, era apena a tireóide desregulada, nada de gravidez. Parece que o cliente resolveu comprar um cachorro!